JE T'AIME - LARA FABIAN

LADY - LIONEL RICHIE

6.10.07

Entre a essência e a aparência: bendita humanidade...


Entre a aparência e a essência: bendita, humanidade !!!


Olá,


muitas vezes nós encontramos pessoas maravilhosas - enquanto permanecem virtuais ou inacessíveis. Sem querer começamos a endeusá-las, a fazê-las perfeitas e imaginá-las em tudo sublimes, porque, de uma maneira ou de outra, com palavras ou de outro jeito qualquer, elas nos tocam profundamente e são, por um momento, um dia, um mês ou um ano, o motor do nosso sonho e, de tanto as admirarmos, a nossa razão de ser e de viver.

O encontro virtual pode suscitar paixões, criar ilusões e fomentar revoluções, como outro encontro qualquer, em tudo banal, mas sempe com uma razão de ser, porque nada acontece por acaso.
Aqui, os momentos acontecem e, porque intensos, também se esvaziam, gastam ou consomem muito rapidamente, quando não descobrimos a verdadeira importância do ser que nos encantou um dia e a magia pode virar maldição ou tornar-se um doce amargo de frustração ou decepção.

Isso acontece, sobretudo, quando ficamos pela aparência e não vamos ao fundo da essência e é sinal de que, afinal, procuramos algo ou somos, ainda, alguém superficial e, como tal, o que pensamos descobrir nos outros ou conquistar é ilusório e vão, fútil e inútil, como se tornam os nossos sentimentos e as nossas vidas, se teimarmos em viver num mundo " perfeito " para todas as ocasiões, mesmo quando, por ingenuidade, preferimos uma mentira que iluda a uma verdade que magoa ou nos faz duvidar do que somos e do que queremos.


É como se imaginássemos um mar sem tempestades, apenas com bonança. Não seria mar de água vivificadora, mas um lago de água pútrida, mortal. Já imaginaram o que seria a nossa vida, se em cada amanhecer, nada houvesse para fazer, porque tudo era perfeito? Onde estaria a nossa razão de ser ou, simplemente de viver e passar por aqui?


Eu prefiro, mil vezes e de longe, alguém real com as suas imperfeições, porque é sinal de que compreenderá as minhas, quando ficar em face delas. Só pode ajudar a levantar, quem já caiu; entende melhor o perdão, quem já o pediu, porque errou; compreende o desespero do silêncio, quem passou meses a gritar no deserto, porque nunca um " homem é tão grande como quando se ajoelha para dar a mão a uma criança ! "

Nunca esqueça, esta é a Terra dos mortais e dos imperfeitos e é por este vale de lágrimas que temos que passar todos os dias da nossa vida.

Por isso, páre, olhe o mundo ao seu redor, escute o coração e vá onde ele o levar, porque ele é a fonte do Amor, essa loucura que vale a pena ser vivida para dar uma razão à vida.

Eu pecador, me confesso e te advirto: se vens aqui procurar um deus, um ser sábio ou perfeito, estás no lugar em tudo errado - na condição e na educação - por isso te peço que não percas o teu tempo comigo e as minhas banalidades.

Um Beijo ou um abraço !

Até...

Luís












Lud MacMartinson - LMP - Luxemburgo

2 comentários:

Sissym Mascarenhas disse...

Lud, Viajante do Tempo,

Incrível. O que escreveu em 2007 vale para o momento presente. Voce tem razão. 50%. Porque tudo é possível, mesmo o imaginário.

Adoro ler o que tem a dizer.

Quer saber? Mesmo que sejamos fontes de inspirações virtuais, ainda vou lhe dar um abraço!

Beijos da
Sissym

lilian disse...

Penso assim...Lud
Sem contar que, definitivamente, aposto muito mais em tudo o que não é possível através da tela do computador. Creio na sutileza do encontro, olhos nos olhos, sorrisos se abraçando, palavras se buscando, um palpitar que tem força para indicar uma direção, coisa que pela Internet fica vago demais, vulnerável demais, perdido demais.

A meu ver, toda a fragilidade das relações virtuais, ainda que cheias de declarações e juras de amor, se deve à facilidade que as pessoas têm de ser quem não são, ou quem gostariam de ser, mas não têm coragem nem se consideram capazes para tanto...
Daí, as palavras são digitadas, mas não têm alma. Os sentimentos são descritos, mas não têm profundidade. Os encontros são idealizados, mas não têm força de realização, não têm disponibilidade suficiente para acontecerem... porque estão, sobretudo, impossibilitados pelo medo da rejeição, pelos exageros cometidos sem noção, pelas condições reais ignoradas em nome de desejos fugazes e proibidos...
O amor no singular é platônico, presente que se guarda no coração como jóia que se guarda na gaveta mais segura, trancada, onde ninguém vê. Se é amor no singular que você procura, talvez a Internet seja o lugar ideal.Porém, se é amor no plural, vivido entre dois corações que você deseja, este só é possível quando há o encontro! Abs , amigo!