To love you more - Celine Dion

Lady - Lionel Richie

4.10.07

Brasil: o meu primeiro sonho!




Confidência a uma Índia
o meu
primeiro sonho:
BRASIL !


Oi Naiá,

tudo começou muito cedo...

" Eu era menininho de bibe e pião, teria talvez cinco anos, quando pela primeira vez ouvi pronunciar a palavra Brasil.
Ainda me lembro como o meu coração pulou de alegria!

Naquele ápice, o Brasil não era nada de concreto para mim: nem uma imagem, nem um país, nem uma pessoa, nem um pássaro, nem uma nuvem, nem num cheiro, nem um pensamento: um sentimento apenas, nada mais! Talvez uma estranha, uma sensação, um sinal do destino!

Aos oito anos, quando a minha percepção do mundo e o meu conhecimento já eram maiores, soube que o Brasil, afinal, era um país que ficava lá longe, muito longe, para lá das montanhas e do mar;

um lugar onde meu avô paterno, que eu não conhecera, repousava para sempre!

O Brasil era a terra para onde meus tios, nascidos no Rio, queriam voltar em breve.

Meu tio era meu ídolo, mas o Brasil era magia, era alegria, era encanto, era uma oração, um desejo, um desígnio para mim! Não sabia explicar, mas era algo de muito estranho: uma tentação, um fascínio!

Pronto, posso dizer que aos oitos, um menino transmontano que não conhecia nem respirara ainda outro ar nem tampouco atravessara o oceano, sonhára com um lugar, o paraíso onde a sua alma se deitava todas as noites: o Brasil!

Nessa idade esse menino não conhecia a história, nem sabia nada do passado, mas soubera e atrevera-se a jurar diante de toda a gente que quando fosse grande iria ao Brasil.

Que coragem para um menino ousar afrontar, desafiar e contradizer o mundo dos adultos e dos impossíveis ! A minha vida tem sido assim : sonhos, desafios e paixões !

Ainda me recordo como se fosse hoje:
__ Tio, quando eu for grande irei ao Brasil! - disse sério, impávido, desafiando quem me ouvia!

" Ah! Ir ao Brasil!? Como é ingénuo e sonhador o Luisinho! Dizer que vai ao Brasil! Ah ! Isso não é para toda a gente, isso não é para um qualquer !

Para tal, teria que vender uma leira ( terra ) para pagar a passagem e fazer aquela longa viagem... " - devem ter pensados os adultos que me olhavam com ar de troça.

Coitados, eles até pensavam que sabiam e podiam tudo lá na aldeia, mas não conheciam nem desconfiavam da força do sonho.

Que tristeza passar pela vida como cão por vinha vindimada !

Estávamos em Março de 1963!

Entretanto, os tios cariocas e a avó do Luís - assim se chama(va) o menino, haviam regressado ao Rio; de vez em quando lá chegavam as cartas vindas do Brasil e a cada entoação do nome, era uma respiração suspensa, um desejo, uma fome imensa!

O Brasil !!! É longe? Tenho que ir ver, tenho que saber como é e onde fica o Brasil !!!

O Luís fizera a escola primária; saíra da aldeia e fora estudar para vários colégios!

Num deles descobrira uma biblioteca que era um quarto onde se deitavam e dormiam os livros...
Imagine qual foi a primeira curiosidade que quis satisfazer quando lhe disseram na enciclopédia estava tudo?

É óbvio: o Brasil!

Os anos passaram-se e o "seminarista" - condição exigida pela mãe para lhe pagar os estudos - continuava a sonhar com o Brasil.

Só que o sonho virara paixão, e a paixão obessão, quase demência, condição "sine qua non " da própria existência.

Entretanto, em 1973, 10 anos depois de " garantir a pés juntos que quando fosse grande iria ao Brasil " o seminarista batera com a porta na cara de quem o queria ver padre, bispo, sei lá, porque não Papa, tanta era " a santidade " daquele espírito introvertido, que aos 14 anos conseguia inventar rimas e pensamentos mais profundos que os próprios mestres!

Em 1974, preso e queimado no turbilhão da Revolução, o pré-universitário, - com quarto alugado em Coimbra onde a faculdade seria mera formalidade para quem queria ser advogado,- tomou uma decisão que mudaria radicalmente a sua vida e, sem saber o faria realizar o sonho de menino mais depressa:

emigrar!

Aos que lhe ofereceram uma vida de sonho a defender o materialismo ateu, disse furiosamente não; aos que lhe garantiam cargos e honras disse simplesmente obrigado e aos que lhe pediram para esperar e ser " doutor" disse serenamente:
na vida nunca há esperas, mas vícios e desperdícios!

__ Prefiro partir, deixar de ser o " alguém " que todos dizem que serei aqui, mas escravo de um ideal nefasto que não partilho e sei falacioso !

Emigrarei, conhecerei a tristeza e a dor amarga da saudade e serei sempre um homem simples, mas livre ! Serei un Luís ninguém, se isso for preciso for e o destino mo impuser, mas realizarei este e todos sonhos que hei-de sonhar !

E o estudante, ex-professor, virou garçon! Foram 3 meses apenas, mas muito importantes para mim! Depois o garçon não se deixou enrolar pelo patrão, que o queria roubar, e partiu, sempre confiante de que algo melhor haveria de lhe acontecer!

Dias depois, uma semana, pela mão que um amigo – o Arménio – foi fazer um teste numa empresa ! Cinco minutos apenas e hei-lo com o futuro garantido na maior multinacional do país, o Luxemburgo, um anão com alma de gigante, que o colhera de braços abertos!

E o Brasil? Morrera? Desistira? Nem pensar!

O Brasil era uma paixão antiga !


Uma tarde de Dezembro de 1979, passeando na avendida da Liberdade, o Luís olhou a vitrina e deu com os olhos no Cristo Redentor de braços abertos.
Sorriu, apalpou o bolso e entrou na agência de viagens.

Uma hora depois, o Luís chegava a casa e, esboçando o maior sorriso da sua vida, dizia para o pai, que vivera até aos 18 anos no Rio, mas nunca mais lá voltara:

__ Estou muito feliz, pai! Hoje passei o maior cheque da minha vida! Vou ao Brasil !!!

O meu pai abraçou-me e chorou: eu tinha na mão o bilhete que ele nunca ousara comprar ! O filho perseverante estava prestes a cumprir a promessa e a realizar o sonho de menino.

Finalmente, eu acabara de fazer o que o meu pai sempre desejara, talvez mais por ilusão ! É, penso que ele sonhava por sonhar, sem muita ambição ! Eu não, quando sonho é com convicção, com alma e coração !

No dia 14 de Dezembro de 1979, vesti o meu melhor fato ( terno ), negro e pus a gravata: desde os 10 anos que me habituara a trajar assim! Pequei na gabardina e dirigi-me para o aeroporto, a 30 quilómetros : estava cheio de neve, 5 graus negativos!

Poucas horas depois aterrei no Rio de Janeiro. Como foi encantador ver o sol nascer de avião ! Como foi reconfortante abraçar a família e matar as saudades !

Porém não era disso o que o meu coração mais desejava e esperava, não era esse o Brasil que que sonhara durante mais de 15 anos, mais de 6 000 ( seis mil ) dias e noites!

Durante quase um mês, o menino, que ousara sonhar contra tudo e contra todos, descobrira os encantos da Cidade maravilhosa e do Brasil; apaixonara-se por lugares bonitos; fizera planos para comprar um terreno em Piratininga (
Niterói ) do outro lado da Baía da Guanabara; conhecera o rodízio e admirara o charme das garotas de Ipanema; mas nada disso lhe fizera ainda o seu o coração palpitar como quando ele ouvira ecoar pela primeira vez nos seus tímpanos a palavra Brasil !

Não o Brasil dele não era aquele, não seria só aquele, o Brasil dele, quando o encontrasse, o seu coração lho diria certamente!

Aliás, nem precisaria de palavras: o pressentimento seria mais forte e mais lesto, talvez um mensageiro divino a quem a aura bastaria para dizer tudo, mesmo que fosse mudo, ele escutaria o apelo, sentiria aquele pulsar que o fizera sonhar assim!

Bom as férias estavam quase terminadas, o encanto reconfirmado, o desejo de voltar imenso, e vontade de comprar o terreno firme, portanto impunha-se abrir uma conta bancária para enviar os dólares para o terreno e, quem sabe, a casa!

Na véspera do meu regresso, enquanto aguardava pacientemente numa das filas de uma agência da Caixa Económica Federal, meu tio, que não me largava com medo de ser assaltado, foi abordado por um conhecido que lhe perguntou:
__ Quem é este moço, Toninho!
__ O meu sobrinho, o filho do Alexandre!
__ Da minha prima Luisa?
__ Sim...
__ E quando chegou?
__ Volta amanhã!
__ O quê?! Você recebe a visita do sobrinho, de um primo, de um patrício, de um vizinho e não no-lo apresenta?! Estou a ver que veio da santa terrinha e não visitou nada!
__ Não, está tranquilo, Zé, que o Luís ficou tão encantado com o Brasil, visitou muita coisa, quer comprar um terreno em Piratininga: diz que é bonito !

Em poucos minutos o Zé, que afinal era primo da minha mãe e embarcara rapazote para o Rio de Janeiro, resolveu tudo: bastou empiscar ao gerente e pronto lá estava eu a passar por cima de uns quantos..., meio envergonhado e contra a minha vontade...

Depois, entrámos no carro dele e voltámos para casa do meu tio, onde a minha avó nos preparou um almoço.
__ Bom, Toninho, vai trabalhar ( para a agência do Banco Central, no Rio ) que eu me garanto a segurança do teu sobrinho! Agora ele fica por minha conta.À noite cá to trarei.

Passados 30 minutos e muitos ziguezagues que me fizeram enjoar e embalar o coração, estava num bairro da Zona Oeste do Rio!

Depois de me apresentar à família e de me mostrar a casa, o primo da minha mãe ( os pais eram irmãos )disse-me:
__ Você tem mais primos aqui, Luís! Vem, que eu vou mostrá-los para você.

Foi como se tivessem tocado num formigueiro ou acordado um vulcão!
Inexplicavelmente, meu coração começou a embalar e bater apressado, as mãos a humedecer e um certo nervosismo a apoderar-se de mim!

Naquele momento, senti-me como alguém que procurou a vida inteira por um tesouro e, de repente, quase já descrente, sente as emanações da sua presença!

Entrei no carro e mal tive tempo de respirar e de enxugar o suor do rosto: já estava diante de uns portões de uma vivenda com os azulejos da imagem de Nossa Senhora de Fátima no frontespício!
Aos berros do meu primo acorreram dois moleques lestos, descalços quase tão bronzeados como o Pélé, de tanto soltar Pipa!
Seguiram-se três moças intrigadas, os pais sorridentes e..., o meu olhar... sentiu o coração bater da mesma maneira... meu Deus!

" O Brasil !!! "
Um olhar profundo! Um corpo franzino! Cabelos longos, castanhos! Um sorriso tímido, envergonhado...

Descobriu, Naiá?

O meu Brasil, a minha razão de ser e de sonhar, chamava-se Lina e o meu coração já a conhecia há muitos anos!

Assim de repente, tive a impressão de ter conhecido noutra vida... Mas como me era familiar aquele rosto, aquele sorriso, aquele olhar!

Depois das apresentações, voltámos a casa do Zé para um cafezinho!

Instintivamente, fiquei a sós com a Lina no terraço... As irmãs da Lina, os pais, os outros não existiam mais, a minha timidez evaporara-se! Não sei se tinha que lhe falar ou a olhar apenas, em silêncio, admirá-la! Vê-la sorrir, desejar aquele tesouro...
Com medo de que o meu olhar não lhe exprimisse tudo o ques estava sentindo, ousei dizer:
__ Lina, acho que agora sei, porque ando a sonhar com Brasil desde pequenino !
__ Ah bom?!
__ Mas a certeza, a resposta, não sou eu quem a deve dar...
Lina corou! O meu olhar dizia tudo, implorava a resposta que ela não deu, que não podia dar ainda, porque não fora ela quem sonhara com o Brasil !

Cinco dias depois chegou ao Rio a tão desejada carta a pedir-lhe namoro ! Lina já estava à espera dela ! Alertada e aconselhada pela mãe, Lina só pode obedecer e dar a resposta que o seu coração lhe sussurrava : sim !

Passados 18 meses, já não havia dúvidas, mas muitas certezas, uma decisão a tomar e um juramento a fazer!
Depois de pedir a mão de Lina em casamento e ver meu pedido aceite(o), a mãe de Lina implorou, sorrindo:
__ Esperai um pouquinho!
Pouco depois, voltou com uma foto de 1967, tirada perto da paragem do autocarro, no longínquo lugar, a cerca de 20 vinte metros onde o menino tímido e introvertido sonhara com o Brasil:

" Uma mocinha franzina de 6 anos, mirava um moço vestido de terno e gravata negros que acabava de chegar do seminário: era eu! "

Acho que você já entendeu porque eu gosto tanto do Brasil! O Brasil é o sonho, é a paixão, é a razão que deu sentido à minha vida!
O Brasil é o Amor da minha Vida!!!!

Eu amo mais o Brasil que milhões de brasileiros porque eu o inventei, o sonhei, o desejei, o amamentei, o chorei e o guardei no coração sem nunca desfalecer, sem nunca duvidar!
Eu te amo, meu Brasil !

Sabe, Naiá, quando um menino sonha, Deus sorri, se inclina, o beija, obedece e o sonho logo parece!

Espero que tenha gostado deste longo mail! Me desculpe se a enfado!!!
Beijinhos





















LUDwig, LMP, LUXEMBURGO - 2005 " Cantinho Sensual . Cantinho da Poesia "
NB: todo os anos volto ao Brasil e brevemente regressarei de vez ao paraíso
onde germinou, nasceu e cresceu o meu sonho!


Lud MacMartinson - 2006

1 comentário:

Anonymous disse...

lindo, adorei
está bem bacana
parabéns